18 Abr - 11 Mai2013
A primeira comitiva

Em “A Primeira Comitiva”, Julia Debasse cria narrativas imaginárias para contar a formação do Brasil, com figuras e animais que, de alguma forma, se infiltraram no imaginário do brasileiro, aqui usados de forma livre e pessoal. Esse panteão nacional se ergue de maneira despojada, livre da sua pesada carga histórica, querendo existir no presente não só como um efeito do passado, mas como algo que respira e caminha entre nós. As pinturas utilizam personagens reais para traçar uma espécie de romance histórico: João Cândido e o Bispo do Rosário servem juntos na Marinha, um lobo guará e um Fila Brasileiro se encontram “pela primeira vez na história deste país”, em um lugar longe dos nossos olhos, a herança guarani coroa o homem que a  ignora enquanto um sabiá-laranjeira descansa sobre a cabeça de Joaquim Nabuco. A pintura de Julia utiliza um conhecimento histórico de uma forma emotiva, por vezes quase singela e, como uma bandeira, “A Primeira Comitiva” desbrava os rincões imaginários de um Brasil real.