11 Jul - 01 Ago
Odir Almeida
O Tambor de Vidro Líquido

( O mar como dogma e o cinema como metáfora )

A Artur Fidalgo Galeria apresenta a exposição “O Tambor de Vidro Líquido”, do fotógrafo aquático Odir Almeida, com imagens das praias do Arpoador e Ipanema, captadas de dentro do mar e à sua volta, a partir do olhar “da linha da água, do chão e do horizonte”, que caracteriza a obra do artista. A exposição, de 11 de julho a 1 de agosto, ocorre simultaneamente a outra exposição do artista, Celacanto, no Oi Futuro.

Nesta atual exposição, da Artur Fidalgo Galeria, o título é retirado do livro “Histórias de Cronópios e Famas”, de Julio Cortázar, fazendo aqui referência a uma brincadeira com a transparência da caixa estanque protetora da câmera quando o artista se joga ao mar, e ao mesmo tempo com os ruídos que ouvimos dentro da água: o som do próprio coração, o ruído surdo da água, o coração da água percutindo como um tambor.

Aqui estão à mostra imagens que declaram a influência da linguagem cinematográfica
em sua obra, ao lado das fotografias marítimas da praia do Arpoador e Ipanema, todas observadas do ponto de vista do chão, da água ou da linha do horizonte, em sua maioria feitas de dentro da água, seja olhando para terra ou para o mar aberto. A força e beleza em constante movimento expressas pelo fotógrafo, que se torna um ser aquático ao jogar o corpo e câmera no mar produz imagens em que ondas se agigantam sobre a cidade, edifícios parecem peças de brinquedo e montanhas são parcialmente cobertas pelo movimento das ondas. O público poderá mergulhar nas 27 fotografias em grande formato, em cor e preto e branco, e experimentar o processo de captação de Odir Almeida.

curadoria: Wilton Montenegro