22 Mai - 12 Jun2015
Uma diva, uma louca uma macumbeira, meu deus, ela é demais!

Camila Soato apresentou 50 pinturas inéditas em tamanhos variados, nas quais cenas esdrúxulas tiram o véu do nonsense político e social em que vivemos.

Com uma narrativa maliciosa e inusitada, Camila penetra na complexidade do que parece banal. Escracha para desmascarar contradições morais através de cenas corriqueiras. Seu autorretrato surge em situações bizarras, ora com máscaras de bichos, ao lado de galões de água, devorando uma coxinha gigante, tirando um selfie com celular durante uma transa, próxima a panelas de pressão, em temas do universo feminista, da macumba e da fantasia.

Sua crítica debochada constrói um embate de valores entre aquilo que consideramos nobre e vulgar. A imponência da pintura a óleo figurativa contrasta com a fuleragem de sua polifonia imagética, o suporte e aura das telas colidem com a violência e humor das situações retratadas, a potência de suas pinceladas divide espaço com borrões e manchas.

As cenas, quase sempre em movimento, são ao mesmo tempo prosaicas e inesperadas, sem tentar esconder qualquer sujeira ou imperfeição. Estouram sobre o fundo neutro decorativo como flagras instantâneos das nossas idiossincrasias morais. São delírios de uma diva, uma louca, uma macumbeira em uma sociedade em crise.