top of page
IMG_1536.png

Lucas Rubly

"Em sua obra, explora questões que envolvem o silêncio e a contemplação, se utilizando dos pequenos formatos para reforçar seus conceitos e representações."

Lucas Rubly (São Paulo, Brasil, 1991), graduado em Design Gráfico, iniciou a pesquisa na pintura no ano de 2021. Em sua obra, explora questões que envolvem o silêncio e a contemplação, se utilizando dos pequenos formatos para reforçar seus conceitos e representações. Segundo o artista, essa simplificação funciona como um mecanismo de redução de velocidade contra a imediatez do mundo atual.

“As pinturas de Lucas Rubly sempre surpreendem o olhar. São verdadeiras descobertas que nos animam buscar os mistérios da pintura e da representação. Olhar um quadro seu é um ato de admiração e indagação: “Onde já vi estas paisagens? E estas flores são naturais ou artificiais, vivas ou mortas?”.

As imagens das telas tendem a serem realistas. Parecem reproduzir o real, mas, efetivamente, elas são representações distorcidas por leve toque surrealista. Detalhe fundamental. Impõem-se, então, nestas pinturas, o ar rarefeito do vazio. E elas transmitem uma sensação de solidão.

Há a presença do trágico nestas obras, que são atravessadas pela sensação encantamento-assombro.

Rubly produz pinturas que são convites para procurar outros lugares, novas referências e inusitadas sensações — para além da vida cotidiana. Casas calcinadas ou que absorveram toda luz como um buraco negro. Árvores naturalmente nascidas, mas que parecem modificadas geneticamente. Lagos plácidos nas paisagens, espelhos de duplos, que se tornam armadilhas para desestruturar tanto a ordem natural quanto o olhar do observador.

Os trabalhos de Lucas situam-se na esfera da lentidão, uma vez que eles se contrapõem à profusão de imagens e ao ritmo acelerado da Sociedade do Espetáculo e da Sociedade em Rede — marcas da conturbada contemporaneidade.

Isso tudo resulta em pinturas com uma beleza contida que necessitam de um olhar acompanhado de silêncio. Pinturas que, mesmo na estranheza, encantam.”
— Miguel Chaia

bottom of page